13 de outubro de 2009

Universidade Aberta? Com certeza!

Recentemente chegou à atenção do Praxe - Porto a intenção por parte de estudantes da Universidade Aberta (Uab) de implantarem de modo definitivo e organizado as Tradições Académicas na sua instituição.

O propósito é nobre e deve-se salutar a iniciativa e a determinação do grupo de estudantes que se lança nessa demanda. O Praxe - Porto congratula-os pela iniciativa que, decerto, contribuirá para um maior fortalecimento e colorido da Praxe Académica na nossa querida Academia do Porto.

Fazendo uma pequena introdução às especificidades da Uab (porque as tem) basta dizer que esta é principalmente uma instituição de ensino superior à distância, sendo a grande maioria dos alunos trabalhadores-estudantes e terem família constituída.
Apesar de ter sido fundada em 1988 é uma Universidade com pouca Tradição Académica (pelas razões acima descritas). Não obstante, costumam ser realizadas recepções aos caloiros, na forma de Praxe, e alguns convívios.

A semana da Queima das Fitas, pelo que foi transmitido ao Praxe - Porto, é uma semana que os estudantes da Uab vivem um pouco à margem. Estão presentes na Serenata, na Missa junto à multidão, no Cortejo do lado de fora, etc...
Para muitos estudantes, essa é uma semana como todas as outras, mas ocorre que, para outros, essa é uma semana com muito significado.
Acontece que para alguns, sendo finalistas este ano, gostariam (como é óbvio) de poder participar em todos os momentos como alunos da Academia do Porto e não como espectadores, como o foram no ano lectivo passado e anterior.

O contacto feito ao Praxe - Porto por uma das pessoas envolvidas neste processo embrionário visava, principalmente, duas coisas:

- Uma opinião acerca do protocolo académico (feito já em Lisboa) e a sua adaptação ao Porto;
- Uma opinião acerca da melhor opção para os alunos da Uab fazerem parte da vida académica do Porto;
- Se poderiam seguir as propostas elaboradas pelo Praxe - Porto no que toca as novas Licenciaturas de 3 anos (hierarquia e insígnias).

A pronta resposta do Praxe - Porto foi no sentido de congratular a iniciativa e de prometer divulgar a situação da Uab, apelando a uma acção dos organismos praxísticos da Academia quanto à questão. Acerca da questão da hierarquia e insígnias para as Licenciaturas de 3 anos, a resposta foi que o Praxe - Porto, obviamente, não se opõe a que estas sejam seguidas, principalmente quando o que está a acontecer em muitas Casas é uma total balbúrdia a nível da praxis nesta questão.


Dito isto, o Praxe - Porto apela à Academia para que não deixe a Uab sozinha.
É preciso, e é de boa Praxe, receber e integrar aqueles que, efectivamente, desejam ser recebidos e integrados.
Um apadrinhamento à Uab é urgente e será vital para a melhor formação praxística dos seus estudantes que, pelo que foi transmitido, o que conhecem é por convívio com padrinhos de outras Casas da Academia.

Por razões geográficas, a Universidade Fernando Pessoa seria uma opção viável. No entanto, qualquer opção de boa fé será, obviamente, viável e vital para a integração da Uab.

O Praxe - Porto apela, portanto, à atenção e à pronta acção por parte das Casas da Academia e do MCV para a questão da Uab. Da parte do Praxe - Porto, está a ser feito tudo quanto a um mero site compete: divulgação e apelo. Da parte dos intervenientes do Praxe - Porto, obviamente que ocorrerá o esforço por divulgar a questão pelas suas Casas.

Concluindo, espera-se que resposta seja célere e eficaz pois isso seria um grande sinal de boa Praxe Académica que a Academia do Porto deve, sempre, primar.

A quem desejar contactar os estudantes da Uab e não saiba como, por favor contactar o Praxe - Porto.


Saudações Académicas,
O Administrador