15 de setembro de 2010

Mensagem 2010/2011

Como já vem sendo da Praxe, é por esta altura que se costuma deixar, aqui pelo Praxe - Porto, uma mensagem aos novos caloiros, aos novos doutores e aos restantes praxistas da Academia do Porto.

Como sempre, impera desejar aos caloiros uma entrada em grande na maior academia do país. Que aproveitem os momentos que a praxe pode e deve propiciar, que contribuam com boa disposição e (porque não?) rebeldia para o colorido praxístico da mui nobre e sempre leal e invicta cidade que vos acolhe, se eram de fora, e se vos revela doutra forma, se já cá andavam perdidos nesse mundo de crianças da vossa anterior vida.

Pode-vos parecer estranho, um tanto confuso, como tanta gente dá importância e trabalho na manutenção duma tradição um pouco rebuscada e singular. Parecer-vos-á certamente isso. O que garanto é que, se bem praxados, se bem acolhidos e integrados, este ritual estranho entranha-se de tal forma que, daqui a uns anos, no finalizar do vosso percurso académico, não conseguiriam imaginar como ele teria tido tanta riqueza se não tivessem participado nestas seculares tradições e prácticas. Comover-se-ão quando usarem umas simples fitas numa simples pasta, quando perderem uma capa que mais não é que um tecido preto, quando usarem uma cartola e bengala que mais parecem adereços de carnaval. As pequenas simplicidades parecer-vos-ão todo um mundo daqui a uns anos.

Aproveitem, que estes anos de glória são curtos e serão lembrados para todo o sempre.

Aos novos doutores, lembrem-se sempre que um caloiro bem recebido saberá, no futuro, receber bem. Más prácticas actuais a futuras más prácticas darão lugar, o ciclo repete-se. Impera fazer um esforço por fazer bem, aprender o que merece ser aprendido com os mais velhos. O percurso de aprendizagem não termina aqui. Continua e continuará.

A mesma mensagem se estende a todos os outros praxistas. Que façam da Praxe algo positivo, de forma altruísta, disponíveis para lhe acrescentar algo ao invés de dela querer retirar alguma pseudo-glória ou pseudo-poder.

Honrem o traje, que o traje honrará o estudante.

"Só capas, só fitas, a Praxe continua!"

0 comentários: